Postais do Exílio (138): Paredão de Las Palmas

Sim, é o que você está pensando: no paredão eram fuzilados os inimigos do regime de Las Palmas.

Eram muitos, esses inimigos, e não diminuíam com as sucessivas execuções. Dia após dia algum líder político, sindicalista, poeta ou simplesmente alguém que havia por qualquer motivo desagradado a alguma autoridade era levado ao paredão. Chegou-se ao ponto de qualquer um na rua poder ser levado á toa, apenas porque ninguém ainda havia sido executado naquele dia.

Dia após dia, portanto, uma vida se acabava ali. Depois do fuzilamento, ficavam apenas as suas marcas no muro: os buracos dos tiros, mais as manchas de sangue, pólvora e merda.

Essas marcas aos poucos foram formando um desenho. No início não se distinguia muito bem o quê, mas aos poucos percebeu-se que era uma figura humana. Um dia, uma mancha vermelho-escura completou o que já não se podia negar. Era um retrato inconfundível do ditador.

Foi o toque final. Naquela mesma noite, um levante popular derrubou o regime.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s