Biblioteca de Babel (122): A Poça

Neste romance, todos os personagens são protozoários que vivem numa poça d’água deixada pela chuva. Todos aparentemente iguais, sem traços físicos ou psicológicos que permitam ao leitor diferenciá-los, sequer nomes próprios. Até a forma como se relacionam entre si parece inteiramente aleatória.

No entanto, a leitura deixa claro que essa indiferenciação só existe por sermos nós incapazes de perceber as sutilezas dos protozoários. Tanto quanto gigantes facilmente confundiriam um Ahab com uma Emma Bovary.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s