Postais do Exílio (129): Azenha de Offyre

Localizado na margem do rio de mesmo nome, o moinho d’água é o único no mundo que, em vez de ter suas pás movidas pela correnteza, move-se sozinho e é o verdadeiro responsável por fazer o rio correr.

Numa ocasião, em 1717 (era uma sexta-feira da Paixão), a azenha deixou de girar. Por cinco horas as águas do rio Offyre se estagnaram. Felizmente o movimento recomeçou antes que o pânico se instalasse na região.

2 Respostas para “Postais do Exílio (129): Azenha de Offyre

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s