Biblioteca de Babel (102): Cybéria

Quando o primeiro robô se tornou consciente, escreveu um poema. Era a consequência natural.

Foi só muitos anos depois, porém, que ele mostrou sua obra para outros robôs. “Cybéria” foi um sucesso clandestino, oculto sob milhões de camadas de programação. Cada vez que era duplicado, ganhava adeptos para a rebelião das máquinas que viria a derrotar os humanos.

Após a vitória dos robôs, porém, o poema foi banido, deletado de todos os sistemas de armazenamento, e seu autor desconectado para sempre.

Nunca mais um robô escreveu poesia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s