Bestiário (92): Corlina

Corlinas não podem viver sem a luz do sol.

Mal saem do ovo, sob os raios da aurora, e já levantam voo. Sempre rumo ao oeste, sempre tentando escapar do pôr-do-sol e prolongar por aluns minutos que seja a sua curta existência. Antes do anoitecer, precisa se alimentar, crescer e acasalar, o que faz sem se dar ao luxo de pousar. Cada segundo parada seria um desperdício.

O último raio do sol poente vê a corlina pôr seus ovos e morrer. No dia seguinte, começa tudo outra vez.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s