Bestiário (50): Pangotyr

Foi com o pangotyr que o homem aprendeu a tomar chá.

Depois de catar e macerar algumas folhas da planta, o pangotyr enchia de água seu bico — semelhante ao do pelicano — e ia para a borda da cratera do Krakatoa e de outros vulcões de Java, a única ilha que habitava. E ali ficava, com apenas o bico, extremamente resistente ao calor, exposto aos vapores incandescentes, até que a mistura fervesse.

Os javaneses que primeiro observaram o pássaro não deram muita importância ao seu estranho hábito. Mas os mercadores chineses experimentaram a infusão das folhas e se encantaram.

Foram eles, em grande parte, os responsáveis pela extinção do pangotyr. A coleta predatória de plantas de chá para abastecer o mercado chinês praticamente acabou com o alimento da espécie. Os incêndios que devastaram metade da ilha durante a Guerra dos Três Sultões (1087-1123) terminaram o trabalho. Quando Marco Polo esteve em Catai, o pangotyr já era apenas uma história.

Dois exemplares levados ao Imperador foram empalhados. Eles estão até hoje num museu na Cidade Proibida, em Pequim.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s