Postais do Exílio (22): Centebrina

Os valentes centebrinos jamais permitiram que governante algum transformasse a sua vaidade em monumentos perenes. Assim, as praças e calçadas são vazias. Quando se quer homenagear um avô de alcaide, prócer da independência ou poeta laureado, artistas populares criam esculturas na areia da praia. Elas duram até a próxima troca de governo ou subida da maré, o que acontecer primeiro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s