Biblioteca de Babel (13): Ouroboros

Encadernado em espiral, como um caderno, não tem capa nem contracapa, e muito menos numeração nas páginas. Porque, assim como a serpente mitológica que morde a própria cauda, e que lhe serve de título, é um romance sem princípio nem fim.

Comece a leitura por qualquer página ao acaso, e leia sempre em frente. Você nunca poderá perceber que voltou ao ponto de partida, ou mesmo que o ultrapassou. Mesmo que marque a página de onde começou a leitura, ela não será mais a mesma depois de todas as outras que a precederam e antecederam ao mesmo tempo. Ouroboros é um romance infinito.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s