Postais do Exílio (11): Las Guaynas

Afastada da rua principal, na beira do mar, fica a casa do poeta.

Na verdade, o poeta passou a maior parte da sua vida bem longe, na capital, onde escreveu todos os seus livros. Não foi naquele casebre que ele rascunhou seus primeiros versos de adolescente. Não foi ali que ele desenvolveu sua sensibilidade, no contato com a natureza e com a gente simples do campo. Não foi sequer o lugar onde aprendeu a ler e descobriu o fascínio da palavra.  Mesmo assim é a casa do poeta.

Talvez o poeta nunca tenha existido. Mesmo assim, em Las Guaynas fica a casa do poeta.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s